Please reload

Tags
Destaque

Mapa Mental: John Locke

November 19, 2019

1/10
Please reload

Questões: Crise de 1929

Arquivo com todas as questões sobre a Crise de 1929. Clique aqui para baixar (114 questões).

 

 

01 - (FM Petrópolis RJ/2015)   

Durante a Grande Depressão, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) manteve-se relativamente a salvo dos efeitos mais intensos da recessão econômica. Enquanto diversos países capitalistas tiveram que rever suas políticas econômicas, o governo socialista liderado por Josef Stalin exibia pujança econômica e fornecia modelos de planejamento estatal que serviram de inspiração para economistas de todo o mundo.

Que medida punitiva tomada por países capitalistas após a 1ª Guerra Mundial contribuiu para proteger a URSS dos efeitos da crise de 1929?

 

a)     Isolamento da Rússia por aliança de países limítrofes do país socialista.

b)     Financiamento a Trotsky e seus seguidores para enfraquecer Stalin.

c)      Adoção da Nova Política Econômica (NEP) pelo governo de Lênin.

d)     Expulsão da União Soviética da Liga das Nações.

e)     Invasão do território soviético por tropas alemãs.

 

 

02 - (UNICAMP SP/2015)   Observe o gráfico e responda às questões.

(Adaptado de Adam Hart-Davis, History: the definitive visual guide. London: DK, 2007, p.385.)

 

a)     Qual a relação existente entre as duas linhas apresentadas no gráfico?

b)     Apresente dois motivos para a crise financeira de 1929.

 

 

03 - (Fac. Direito de Franca SP/2015)   

“A crise econômica alemã agravou-se profundamente a partir da segunda metade de 1930, e os desempregados chegaram a mais de três milhões de pessoas, o dobro do ano anterior.”

Alcir Lenharo. Nazismo, o triunfo da vontade. São Paulo: Ática, 1986, p. 25.

 

Entre os elementos relacionados à crise econômica alemã no final da década de 1920, podem-se citar

 

a)     as disputas políticas entre as principais cidades alemãs e a chegada do partido nazista ao poder.

b)     o crescimento das taxas de desemprego e o êxodo rural provocado pelo declínio da produção agrícola.

c)      as sucessivas greves e protestos dos setores de esquerda do operariado e a precária industrialização do país.

d)     os conflitos de rua protagonizados pelas divisões de assalto do partido nazista e a pressão política da Comunidade Europeia.

e)     o êxodo urbano e a carência de capitais nacionais a serem investidos na indústria.

 

 

04 - (UNIMONTES MG/2014)   

Acerca da crise econômica, historicamente conhecida como Crise de 1929, marque C (Correta) ou I (Incorreta) nas afirmativas abaixo.

 

(   )   A crise de 1929 atingiu praticamente todos os ramos da economia: agricultura, indústria, comércio e sistema financeiro.

(   )   Foram características da crise de 1929, entre outras, a queda generalizada dos preços dos produtos agrícolas e o desemprego.

(   )   A crise de 1929 levou ao aumento dos preços dos produtos industriais, pois ocorreu queda da produção industrial.

(   )   A crise de 1929 não afetou a periferia do sistema capitalista, pois ocasionou uma grande retração do comércio mundial.

 

Assinale a alternativa que contém a sequência CORRETA.

 

a)     I, C, C, I.

b)     I, I, C, C.

c)      C, I, I, C.

d)     C, C, I, I.

 

 

05 - (UFU MG/2014)   

A crise alemã acompanhava o movimento da crise geral capitalista desde a quebra da Bolsa de Nova York, em outubro de 1929. A recuperação alemã do pós guerra estivera montada sobre uma economia de exportação; com a crise, os capitais externos refluíram, as exportações cederam e as importações industriais tornaram-se proibitivas. A crise avançou e, em 1932, os desempregados atingem o número de 6 milhões – quase um terço do total de trabalhadores da Alemanha.

LENHARO, Alcir. O Triunfo da Vontade. São Paulo: Ed. Ática, 1986. p. 25 (adaptado).

 

a)     Identifique o que foi a chamada crise de 1929.

b)     Explique a relação existente entre a crise econômica capitalista e a ascensão do movimento nazista na Alemanha na década de 1930.

 

 

06 - (ENEM/2014)   

Ao deflagra-se a crise mundial de 1929, a situação da economia cafeeira se apresentava como se segue. A produção, que se encontrava em altos níveis, teria que seguir crescendo, pois os produtores haviam continuado a expandir as plantações até aquele momento. Com efeito, a produção máxima seria alcançada em 1933, ou seja, no ponto mais baixo da depressão, como reflexo das grandes plantaçõe4s de 1927-1928. Entretanto, era totalmente impossível obter crédito no exterior para financiar a retenção de novos estoques, pois o mercado internacional de capitais se encontrava em profunda depressão, e o crédito do governo desaparecera com a evacuação das reservas.

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1997 (adaptado).

 

Uma resposta do Estado brasileiro à conjuntura econômica mencionada foi o(a)

 

a)     atração de empresas estrangeiras.

b)     reformulação do sistema fundiário.

c)      incremento da mão de obra imigrante.

d)     desenvolvimento de política industrial.

e)     financiamento de pequenos agricultores.

 

 

07 - (UFGD MS/2014)   

Pelo olhar da fotógrafa estadunidense Margareth Bourke- White (1904 – 1971), em parceria com o escritor Erskine Caldwell (1903 – 1987), o ensaio fotográfico “You have seen their faces” (1937) foi publicado e chamou atenção por cenas das décadas de 1920 e 1930. A imagem retrata uma contradição decorrente da relação entre:

 

 

Margareth Bourke-White. Louisville, Kentucky, 1937.

 

a)     Os impactos da Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918) e a ascensão de regimes totalitários na Europa.

b)     O período de euforia econômica conhecido como “American way of life” e o aumento da entrada de imigrantes hispânicos nos Estados Unidos.

c)      O crescimento da indústria automobilística e o aumento de consumidores de bens duráveis nos Estados Unidos.

d)     A euforia econômica dos Estados Unidos após a Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918), conhecida como “American way of life”, e os impactos sociais da depressão econômica decorrentes da quebra da bolsa de Nova Iorque em 1929.

e)     Os investimentos do “New Deal”, Plano de Reconstrução Econômica dos Estados Unidos de 1932, e o crescimento da oferta de emprego na construção civil na cidade de Nova Iorque.

 

 

08 - (UFSCAR SP/2013)   

Alguns indivíduos acreditam que os preços baixos devem ser uma vantagem, pois o que o produtor perde o consumidor ganha. Mas não é assim. Por exemplo: os custos salariais da maioria dos industriais são praticamente os mesmos que eram. Vejam como funciona o processo vicioso. Caem os preços da lã e do trigo. Bom para o consumidor britânico de trigo e de roupas de lã – poder-se-ia supor. Mas os produtores de lã e de trigo, já que recebem muito pouco por sua mercadoria, não podem realizar suas compras habituais de produtos britânicos. Consequentemente, aqueles consumidores britânicos que são, ao mesmo tempo, trabalhadores que produzem esses bens, se encontrarão sem trabalho.

(John Maynard Keynes. Inflação e deflação [Palestra radiofônica,
janeiro de 1931]. In: M. Kalecki et al. Ensaios econômicos, 1976. Adaptado.)

 

Keynes é um dos mais importantes economistas da história. Suas análises e propostas foram essenciais para a solução da crise que teve início em 1929. No excerto, ele alude a uma das características da crise econômica, a saber,

 

a)    o aumento dos salários urbanos em prejuízo dos rendimentos da imensa massa de camponeses.

b)    a queda acentuada na produção industrial acompanhada do aumento dos preços de tecidos de lã.

c)    a sua propagação de um setor ou de uma atividade produtiva para outra e assim consecutivamente.

d)    a sua nítida natureza financeira com o endividamento crescente de operários e proprietários rurais.

e)    a regulação da economia britânica pelo Estado, o que possibilitou a adequação da produção de mercadorias ao consumo.

 

 

09 - (UNESP SP/2013)   

Enquanto a economia balançava, as instituições da democracia liberal praticamente desapareceram entre 1917 e 1942; restou apenas uma borda da Europa e partes da América do Norte e da Austrália. Enquanto isso, avançavam o fascismo e seu corolário de movimentos e regimes autoritários.

 

A democracia só se salvou porque, para enfrentá-lo, houve uma aliança temporária e bizarra entre capitalismo liberal e comunismo [...]. Uma das ironias deste estranho século é que o resultado mais duradouro da Revolução de Outubro, cujo objetivo era a derrubada global do capitalismo, foi salvar seu antagonista, tanto na guerra quanto na paz, fornecendo-lhe o incentivo — o medo — para reformar-se após a Segunda Guerra Mundial [...].

(Eric Hobsbawm. Era dos extremos, 1995.)

 

Segundo o texto, a economia balançava e as instituições da democracia liberal praticamente desapareceram entre 1917 e 1942, devido

 

a)     à crise financeira que culminou com a quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque e à ascensão de projetos totalitários de direita.

b)     ao avanço do socialismo no continente africano e ao armamentismo alemão após a chegada dos nazistas ao poder.

c)      à ascensão econômico-financeira dos Estados Unidos e à Guerra Fria entre Ocidente capitalista e Oriente socialista.

d)     ao desenvolvimento do capitalismo industrial na Rússia e à derrota alemã na Segunda Guerra Mundial.

e)     ao fim das democracias liberais no Ocidente e ao surgimento de Estados islâmicos no Oriente Médio e Sul asiático.

 

 

10 - (PUCCamp SP/2014)   

O capitalismo nasceu sob a égide da aceleração. Quanto menos tempo despendido, mais produtos a serem transformados em mercadoria. “Tempo é dinheiro” significa o mais das vezes: menos tempo traz mais dinheiro. A identidade supõe aqui inversão de grandezas. Na competição comercial dá-se o mesmo. Quem chega antes, quem se adiante na roda do calendário e do relógio, terá maiores oportunidades de vender. Quem já chegou, já ganhou espaço e poder. Concorre quem mais corre.

(BOSI, Alfredo. Entre a literatura e a história.
São Paulo: Ed. 34, 2013. p. 355)

 

A quebra da bolsa de Nova York (1929) culminou em uma notável crise do capitalismo. Essa crise acarretou a revisão de alguns princípios, dentre os quais se destacou

 

a)     o liberalismo econômico, que tornara possível a produção de bens de consumo muito acima das necessidades do mercado, sem mecanismos de regulação.

b)     o protecionismo estatal, que permitira a expansão descontrolada do crédito bancário, resultando em dívidas pendentes, assumidas pelo Estado.

c)      a democracia liberal, que possibilitara a melhoria da qualidade de vida da população de menor renda e seu acesso ao consumo, não atendido pelo mercado, o que provocou revolta e quebra-quebras.

d)     o keynesianismo, que estimulara a concentração do consumo nas classes médias e altas, dificultando a ampliação do mercado interno e engessando o crescimento.

e)     a privatização vigente dos serviços públicos e da seguridade social, que desonerava os Estados, mas punha em risco a qualidade de vida e as condições de trabalho dos cidadãos.

 

 

 

 

 

 

________________________________________

GABARITO:

 

1) Gab: A

 

2) Gab:

a)     A linha de produção industrial na década de 1920, em meio ao desenvolvimento da economia norte- -americana após a Primeira Guerra Mundial, apresenta um crescimento importante, apesar de alguns declínios momentâneos. Na mesma época, a taxa de desemprego, apesar de algumas oscilações, manteve-se baixa.

Após a quebra da Bolsa de Valores de Nova York, ocorre uma queda na produção industrial e um aumento significativo no número de desempregados. No transcorrer da década de 1930, em meio ao New Deal, ocorreu um aumento da produção industrial e uma queda do desemprego.

b)     É possível apontar como motivos da crise de 1929: a política econômica liberal, de pouca intervenção estatal no mercado, e a especulação financeira; o aumento de crédito e uma ampliação da produção que não foi acompanhada pela capacidade de consumo norte-americano.

 

3) Gab: B

 

4) Gab: D

 

5) Gab:

a)     A crise de 1929 foi resultado de uma série de fatores, mas espera-se que o candidato possa identificar na expansão econômica após a primeira Guerra, e no American Way of Life, a origem do processo de superprodução que assolou a economia capitalista ao longo da década de 1920. Sem grandes políticas de regulação da economia internacional, em um momento de profunda convicção liberal, as economias nacionais não conseguiram manter os padrões de consumo necessários para o contínuo crescimento da atividade econômica, levando à perda de valor de centenas de empresas, resultado tanto da especulação financeira quanto do esgotamento das possibilidades de consumo naquele momento, chegando, por fim, ao auge da derrocada com o crack, em 29 de outubro de 1929.

b)     A década de 1930 foi um período de especial crise econômica em todo o mundo. No caso da Alemanha, ainda limitada pelas condições estabelecidas pelo Tratado de Versalhes, e que já vinha enfrentando problemas de hiperinflação ao longo da década de 1920, a situação só se agravou após a crise de 1929, com milhares de desempregados, decadência industrial e persistência do processo inflacionário que corroía salários e contas públicas. Espera-se, portanto, que o candidato compreenda que esse momento de especial fragilidade social favoreceu os partidos que tinham um discurso mais violento contra as nações inimigas, que supostamente, de acordo com a paranoia política dominante, contribuíam para esmagar a Alemanha. Neste sentido, o Nazismo aproveitou a onda de insatisfação generalizada para alcançar maior projeção política e chegar, usando métodos que mesclavam tanto a violência física quanto discursiva, à posição de principal força do Parlamento Alemão.

 

6) Gab: D

 

7) Gab: D

 

8) Gab: C

 

9) Gab: A

 

10) Gab: A

 

 

 

Please reload

© 2015 por História em Foco. Orgulhosamente criado por Jonatas Alexandre

  • Grey YouTube Icon
  • Instagram - White Circle
  • Facebook B&W
  • Google+ B&W